7 Vantagens do Uso de Bitcoins

Antes de adentrar às vantagens dos bitcoins, uma dica: se você chegou até este post sem saber exatamente o que eles são, não deixe de ler nosso ‘Guia Completo do Bitcoin’. Nele, você entenderá como funciona, as maneiras de adquiri-lo de revertê-los em moedas reais e como os seus valores são cotados.

Dito isso, vamos à nossa conversa de hoje. O objetivo deste post é apresentar as principais vantagens dos bitcoins. Explicaremos o que são e como são usados.

Quais as principais vantagens dos bitcoins? Acompanhe!

Bitcoins: os “dólares da internet”

Como qualquer outra, esta moeda digital pode ser comprada e vendida nas bolsas de moeda. Ela fica armazenada em um dispositivo chamado de carteira digital (wallet) — as informações necessárias para a realização das transações, na verdade — e, por isso, são apelidadas de “dólares da internet”.

De acordo com a Blockchain, uma das mais populares carteiras de bitcoins do mundo, em janeiro de 2016, foram registrados mais de 15 milhões de bitcoins em circulação no mundo. Em fevereiro de 2015, a nível de comparação, eram mais de 13 milhões.

À medida que a informação em torno das vantagens dos bitcoins se torna mais ampla, assim como a confiança dos internautas para fazer transações online totalmente em moedas digitais, eles vêm ganhando popularidade. Uma reportagem recente da Folha de S. Paulo mostrou que, em 2016, as transações atingiram R$ 70 milhões. Isso mostra que os ‘dólares da internet” já estão sendo adotados no país.

7 vantangens dos bitcoins que você precisa conhecer

Um dos passos iniciais para a utilização de bitcoins com total confiança e de maneira produtiva é conhecer as vantagens de uso; saber como este modelo de moeda é diferente do convencional e o que pode oferecer de benefícios. É o que veremos a seguir!

1- Tarifas mais baixas que as moedas tradicionais e zero impostos

Ao realizar transações com moedas convencionais, os usuários podem pagar tarifas que variam entre 2 e 9%. Obviamente, as transações são diferentes de pessoa para pessoa.

Já os custos associados com bitcoins são menores. A tarifa média de transação custa, geralmente, menos que 1% da transação.

Portanto, do ponto de vista tarifário, as vantagens dos bitcoins são maiores do que as transações tradicionais. Por outro lado, também não há nenhuma maneira de um terceiro interceptar essas transações. Portanto, não há nenhuma maneira viável para a implementação de um sistema de tributação desta moeda digital.

2- Bitcoin pode ser utilizado em qualquer lugar do mundo

Bitcoin é uma moeda global. Diferente das moedas convencionais, ele pode ser utilizado amplamente sem bloqueios de fronteira, sem as tradicionais burocracias do mercado internacional. Este é o grande ponto de inflexão da moeda bitcoin: uma revolução econômica que está eliminando as fronteiras comerciais ao redor do mundo.

3- Bitcoin é uma moeda que não pode ser congelada

Por mais que o mundo se diga globalizado, na prática, vemos diversos países praticando o que se chama de “protecionismo”. Há embargos de moeda, sobretaxas e impostos que insidem sobre transações internacionais para desencorajar o livre comércio.

Isso não é possível quando se trata do bitcoin. Trata-se de uma moeda que não pode ser congelada, pois não é controlada por nenhum governo ou empresa.

4- Bitcoin não incorre em riscos com o colapso de um sistema financeiro

Em 1971, os Estados Unidos aboliram o padrão-ouro (o valor da moeda cotado a partir do valor do mineral). Desde então, o Dólar varia conforme a confiança naqueles que o fabricam: o Tesouro e as instituições bancárias.

O Real também é uma moeda fiduciária. O problema é que, quando a economia entra em colapso, por diversas razões (políticas, incidentes ambientais, escândalos de corrupção), as moedas convencionais perdem valor.

Teoricamente, o bitcoin vem para resolver este problema, pois não é regulado por nenhum órgão e não depende da confiança no mercado financeiro tradicional. Só depende de matemática, de um algoritmo gerido por uma rede descentralizada ao redor do mundo.

5- Bitcoin pode ser doado sem a autorização do governo

Todo e qualquer valor de movimentação das moedas tradicionais são controladas pelo Estado. Assim, ao fazer uma doação, um patrocinador precisa explicar à União de onde vem e para quais fins se destinam os valores.

Em 2010, por exemplo, quando os Estados Unidos entraram em guerra contra a organização Wikileaks, proibiram bancos e empresas de fazerem doações para financiarem a iniciativa. Logo, os organizadors do Wikileaks pediram para que os usuários fizessem suas doações utilizando bitcoins, o que não podia ser controlado pelo governo.

Pagamentos em bitcoin podem ser feitos e finalizados sem a necessidade de informações pessoais. Parece pouco, mas esta liberdade está revolucionando a forma com que se faz filantropia ou com que se financia iniciativas que os governos não querem apoiar (obviamente, esta liberdade também pode ser utilizada para o mal, para a compra e venda de drogas).

6- Bitcoin é mais seguro do que as moedas convencionais

Devido ao fato de que a informação pessoal é mantida escondida de olhares indiscretos, Bitcoin também protege contra roubos de identidade. Com ele, é possível fazer backup e criptografar as informações para garantir a segurança do dinheiro.

A menos que um usuário divulgue seu endereço de carteira publicamente, ninguém pode rastrear suas transações. Ninguém, exceto o proprietário da carteira, saberá quantos Bitcoins eles têm.

Mesmo se o endereço da carteira foi divulgado, um novo pode ser facilmente gerado. Isso aumenta a privacidade, quando comparado a sistemas cambiais tradicionais, em que terceiros têm potencial acesso a dados financeiros pessoais.

7- Bitcoins são mais difíceis de serem roubados do que as moedas tradicionais

Toda a estrutura do sistema de bitcoins converge para que o controle da carteira seja totalmente de seu proprietário. Ninguém pode roubá-los, a menos que tenha acesso físico ao computador de um usuário e eles enviem os bitcoins para sua conta. Ao contrário dos sistemas de moeda convencional, em que apenas alguns detalhes de autenticação são necessários para obter acesso às finanças, este sistema requer acesso físico, o que o torna muito mais difícil de roubar.

O que você achou destas vantagens dos bitcoins? Deixe um comentário!

Saiba Sobre Consolidação de Crédito

Note: This is another blog post is directed to our Brazilian community. Feel free to read our English version if you want 😉

Estou endividado, e agora?

Não se desespere se está endividado

Não se desespere se está endividado

Meu último artigo foi sobre como o BTCjam funciona em termos gerais e algumas dicas para aumentar as chances de conseguir um empréstimo conosco. Esse artigo tem outro objetivo, o de explicar um dos melhores usos da ferramenta: ajudar as pessoas a quitarem dívidas pegando um empréstimo no BTCjam a juros mais baixos.

Esse assunto é cada vez mais pertinente, dado que o Brasil o país com maiores juros do mundo. Para ter uma ideia, é o campeão mundial isolado em juros no cartão de crédito.

Atuais taxas de juros no Brasil

Conforme levantamento da Proteste com base em 108 cartões de 12 instituições financeiras, o brasileiro pagou em julho de 2015 na média 378,76% de juros no crédito rotativo. O segundo colocado nesse ranking nefasto é a Colômbia, com 62,51%. Ou seja, no Brasil se cobra mais de 5 vezes os juros cobrados na Colômbia e mais de 9 vezes o cobrado no Peru, terceiro colocado.

Enquanto no Brasil a taxa de juros que o cartão de crédito cobra é 14% ao mês, a taxa cobrada nos Estados Unidos é de 14%, mas ao ano! Isso significa que um brasileiro paga num único mês os juros que um americano paga em 12 meses! E a renda do americano médio é 5 vezes maior que a do brasileiro…

Não são só os juros no cartão de crédito que são tão altos no Brasil. Os juros do cheque especial também são exorbitantes. Segundo o Procon de São Paulo, a média da taxa de juros que bancos cobram no cheque especial é a maior em 10 anos, chegando a 11,49% ao mês. Mesmo modalidades de empréstimos mais baratas ultrapassam na média 6% ao mês.

Porque os juros no Brasil são tão altos?

Afinal, porque os juros no Brasil são tão maiores do que no resto do mundo? Diversos economistas analisaram essa questão e a resposta não é conclusiva. São vários elementos que compõe os juros cobrados do consumidor, mas podemos resumi-los em quatro principais: margem de lucro do banco, impostos, competição e inadimplência. A seguir vou explicar um por um para quem tiver curiosidade:

  • Margem de lucro: como qualquer empresa, os bancos tem acionistas que investiram na empresa em troca de retorno. Bancos visam lucro para remunerarem tais acionistas com dividendos.
  • Impostos: Governos taxam não só os cidadãos como as empresas. Quanto mais imposto, mais juros o banco cobra das pessoas. Sabidamente o governo brasileiro é uma máquina inchada e precisa se financiar cobrando altos impostos da sociedade.
  • Competição: Os cinco maiores bancos brasileiros controlam 80% do crédito. Cenários de pouca competição como esse não favorecem a queda de preços (nesse caso juros). Bancos são protegidos por legislações engessadas e por demandas financeiras que afugentam startups que buscam soluções inovadoras para melhorar os serviços prestados aos consumidores.
  • Inadimplência: Via de regra, quanto mais inadimplentes, maior os juros. Como no Brasil não há qualquer sistema nacional de crédito positivo, os adimplentes pagam juros maiores para cobrirem a falta de pagamento dos inadimplentes. Isto que cria um ciclo vicioso, uma vez que os juros aumentam gerando mais inadimplentes, inadimplentes que causam mais aumento da taxa de juros, gerando mais inadimplentes… O BTCjam desenvolveu seu próprio sistema de crédito positivo de modo a que pessoas paguem taxas de juros mais justas, conforme sua capacidade de pagamento. Saiba mais sobre como o BTCjam funciona.

O conceito de Consolidação de Débito

Levanta a mão quem nunca entrou no cheque especial! Eu já entrei, e várias vezes. Aquela sensação de olhar o extrato, dia após dia e ver o débito crescendo era angustiante. E aquela dívida no cartão de crédito? Me lembro claramente uma viagem que fiz para Miami e me empolguei com os preços baixos. Acabei gastando mais do que podia arcar quando veio a fatura e não consegui pagar tudo. No mês seguinte a dívida veio corrigida em mais de 14%!

Enfim, é quase certo que você já passou por uma situação semelhante, não é verdade? Por vezes, uma dívida gera outra e mais outra e quando a pessoa vê está encalacrada com várias dívidas e comprometendo grande parte de sua renda só para pagar as parcelas. Para ajudar a sair desse ciclo, uma das soluções é trocar as dívidas mais custosas (as que cobram juros altos) por uma única dívida mais barata (com juros menores). Essa operação tem o nome de Consolidação de Débito.

Qual seria a solução para pagar menos juros?

Saia do ciclo de dívidas consolidando seus débitos

Saia do ciclo de dívidas consolidando seus débitos

A resposta à pergunta acima é Consolidação de Débito. Em vez de pagar 14% ao mês para o cartão de crédito ou então 10% no cheque especial, é preferível fazer um empréstimo no BTCjam, onde tomadores pagam em média 6% ao mês e economizar muito em juros. Num exemplo de uma dívida de R$5 mil com juros de 14% ao mês com 12 parcelas, ao consolidar a dívida com juros de 6% ao mês, a economia gerada passa de R$280 por mês ou R$3.400 no total. Lembrando que á dívida original era de apenas R$5 mil, ou seja, consolidar a dívida permite se economizar 64% da dívida original!

Conclusão (TL:DR)

Espero que tenham gostado do artigo. Tentei apresentar o conceito de Consolidação de Débito para quem não o conhecia e explicar como o BTCjam ajuda as pessoas a conseguirem quitar suas dívidas com juros mais baixos que em bancos ou operadoras de cartão de crédito.

Não perca tempo, simule um empréstimo agora no BTCjam e veja como podemos ser de grande ajuda a pagar sua dívida economizando em juros. Se você conhece alguém com dívidas, recomende o BTCjam. Afinal, quem é amigo de verdade não deixa amigos em dificuldade.

Ofir’s Four Rules for Successful Bitcoin Investments

Today we are pleased to have a guest post here on the BTCjam blog courtesy of Ofir Beigel. Ofir is an Entrepreneur, Bitcoin lover and blogger at 99Bitcoins.com. His site is a great resource covering many awesome topics with the Bitcoin industry. You can follow Ofir on twitter here: @ofirbeigel

My 4 rules for successful Bitcoin investments  

If you’re investing with Bitcoin by buying and holding long term, – you’re doing it wrong. Today I’ll try to explain four basic rules that I follow in order to maximize my Bitcoin investment potential.

It has been almost a year since I got acquainted with BTCJam and now I realize how little I knew about Bitcoin investments back then. Keep in mind – what is written in this post is my own personal opinion about investing and you can choose to accept it or reject it, but never do anything just because “someone said so”, always understand the motive for your actions.

  1. Diversify your Bitcoin portfolio

I have many currencies I deal with, and for each currency I have a different portfolio. For example, for US dollars I have some of my money invested in stocks, bonds and some in Bitcoins. Under this portfolio Bitcoin will be considered as a stock, mainly due to the fluctuating exchange rate and the fact that I do not get a steady stream of income out of it.

If I look at my Bitcoin investment portfolio, just buying and holding the currency itself would be considered as normal “cash” and my cash wouldn’t be bringing in any return. It’s the equivalent of just keeping your money at the bank without investing it.

When investing in BTCjam under this portfolio I consider the investment to be a corporate bond with a specific BTCjam rating.

If I wanted to invest in stocks under my Bitcoin portfolio I’d need to find a company that is valued in Bitcoins and not in USD. However, I don’t see any reason to do so as BTCjam’s investments yield competitive returns.

Since I earn a substantial amount of my income in Bitcoin I have to make sure I make the most out of it. Here are some of the things I do:

  • Keep a certain of my Bitcoins in the form of the currency itself (cash)
  • Invest some of my Bitcoins in BTCjam so they will continue to grow (bonds)
  • Exchange a portion of my Bitcoins to USD (another type of low risk investment)

Interestingly, BTCjam also saw the importance of diversification and received feedback that they acted on – with the launch of AutoInvest feature about a week ago. Instead of having to browse individual listings, an investor can easily diversify in 100 loans with specific quality and term parameters! One button diversification, now that is an EASY button.  But if you are the investor who wants to control which specific loans get invested in, and want to understand how to do that effectively – read on.

  1. Conduct ample research before investing in someone

I never invest in something I don’t know about. Luckily enough since I’ve been running 99Bitcoins for 2 years now I know a lot about Bitcoin. That’s why when I come to chose an investment I usually look at the following:

Expected Yield and Rate – Most people would prefer to get the highest yield they can. I personally believe that people who have super high yields have a serious risk of not paying back their loan. On the BTC platform the lowest yield I could currently find was 22% and the highest was 37%.

You’ll notice there is a high correlation between the Yield on an investment and the low BTCjam rating of a user. Even though I’m not aware of the whole process a user goes through in order to get the BTCjam rating I’m sure this means something.

I tend to go for a low-middle yields knowing that for shorter term loans there is the be

The user profile – People who are serious about getting their investment and actually repaying it will take care of their profile. Here are some of the things I look out for:

  • The user’s profile picture – nothing spells trouble more than a blank profile picture.
  • Has this user repaid previous loans – I never invest with someone who hasn’t repaid a considerable amount of money in loans in the past.
  • User credentials – Has the user connected his Facebook profile, LinkedIn profile and other profiles to BTCjam. If so it means he is open about his identity which is a positive indicator.
  • How long has this user been a member of BTCjam – I shy away from users who joined in the past 3 months.
  • BTCjam’s rating – This will usually correlate with my own findings about the profile but I treat this as a second opinion to validate my research.
  • What is the investment for – If there is no detailed description for the investment I will not invest. An important question that should be answered is what will the investment be used for.

Here’s an example of my latest investment – you can take a look at the profile and detailed description.

OFIR - img1

  1. Never invest more than you can afford to lose

Probably the most important guideline of them all – Never invest an amount that is crucial for your survival. I’m a believer in Bitcoin but still I keep only a fraction of my entire wealth in it – why ? Because it’s too risky not too.

Whenever I enter a risky investment (e.g. Bitcoin) I try to imagine how would I react if I lost all of it. If the thought is too scary, I just don’t do it – or I lower the investment amount.

Bitcoin is a risky business, and BTCjam investments make it even riskier by lending it to strangers – but if done wisely, these investments can grow your Bitcoin wealth over time.

  1. If you don’t find any good investment – don’t invest!

Sometimes you just won’t be able to find someone that matches your criteria. In this case you’re better off not investing and checking back to see if there are new investment opportunities in a few days or so.

There are so many scammers out there and Bitcoin is still an extremely risky business. For example, in my initial review of BTCjam I also cover a Bitcoin investment website called “Bitcoin Trader”. That site later on turned out to be a HYIP and many users (myself included) lost their money. There is no such thing as “easy money”, make sure to conduct proper research.

To conclude, I believe that if you follow these guidelines your chances for success will increase dramatically. Please remember that this is based on my own personal opinion and experience (I have no formal investment certification). I recently finished getting back a loan on BTCjam and just invested in a new one with a larger amount of money.

Hopefully this one will go well also and I can move on to additional investments and update you about them as well. If you have your own investment tips please feel free to leave them in the comment section below, I’d love to hear them.

BTCjam tutorial para prestatarios Bitcoin BCN

Quisiéramos agradecer a BitcoinBCN para su
buen tutorial sobre como pedir prestado con BTCjam

TUTORIAL BTCJAM   DE CREAR UNA CUENTA A PEDIR UN PRÉSTAMO EN BITCOINS  bitcoinbcn   Bitcoinbcn

El tutorial detalla paso a paso las instrucciones sobre cómo
pedir prestado bitcoins en BTCjam

Estamos esperando su tutorial para nuestros inversores,
que estará disponible en breve!

Phishing Alert — What is Phishing and how can I avoid it?

Buenos días Jammers!

Thanks to the eagle-eyed Guido P. on Facebook, BTCjam was alerted to a phishing attack.  Now we can warn you about Phishing and how to avoid it.  Phishing is an attempt to trick you into entering your account information into a fake website so they can steal your account. For example, in this current phishing attack they have created a fake version of the BTCjam website to trick you.  Remember that the real BTCjam website will always have a URL that starts with https://btcjam.com and will have the security lock icon next to it.

As you can see, there is almost no difference between the phishing site:

01 - Desctop screenshot22 Desctop screenshot

and BTCjam.com, except the URL at the top.

If you see a suspicious link, always check the URL before you login.  Phishing can also be stopped by using Two Factor Authentication (2FA), as 2FA requires a unique token that is generated by your cell phone that helps prove your identity (in addition to your password).

Be aware of phishing (check that URL!) and always use Two Factor Authentication!

If you find a site that you think is a phishing site, you can report it to Google on their Report Phishing Page.

Until Next Time… Keep on Jamming!

If you need a bitcoin loan, borrow on BTCjam!  If you want to invest, invest on BTCjam!

5 Ways Peer-to-Peer Lending Creates ROI for Investors

Peer-to-peer lending is a relatively new concept that helps borrowers find great deals on loans. In order to finance these types of loans, peer-to-peer lending relies on individual investors who fund each loan in small amounts.

image

Source: Shutterstock

This method of lending is fast, efficient, and often lowers the cost of a loan for borrowers; at the same time, it provides a stable rate of return for investors.

Why does peer-to-peer lending offer a higher ROI compared to other investment methods? Let’s take a look at 5 compelling reasons why this form of lending is beneficial not just for borrowers but also for the investors who back these loans.

A Proven Model

Ever since Lending Club and Prosper were founded in the United States in 2006, the industry for peer-to-peer lending has been booming.

These stalwarts have been originating more loans than ever before. Here is the US market’s performance over time:

image

Source: Crowdfundinsider

Peer-to-peer lending is now producing over $500 million in loans per month through Lending Club. That’s impressive for an industry founded only eight years ago. It is clear that demand is on the rise and there are no sign of slowing down.

An Avenue for Specific Borrowing

Whether it’s paying down debt or financing bitcoin miners, peer-to-peer lending allows borrowers to obtain loans for things traditional lenders might be wary of.

According to Prosper, debt consolidation loans are one of the most popular peer-to-peer lending loans.

image

Source: CreditCards.com

For a bitcoin miner, trying to get a loan from a bank or other traditional lender would be very difficult unless the borrower could provide a specific business case for doing so.

The bottom line is that peer-to-peer lending allows individual investors to be creative in deciding what types of loans to fund for borrowers.

Spreading out the Risk

Those who invest in peer-to-peer loans are able to diversify, therefore, spreading out risk by funding many different loans.

It’s important to understand that borrowers sometimes don’t pay back loans, known as a default. It’s something that cannot be avoided in the peer-to-peer lending industry and even in regular banks. If investors diversify their investments through many different loans, overall investor risk can be reduced.

image

Source: LendingMemo

Data pulled from Lending Club shows that when investors diversify their funds through many different loans, they are able to obtain returns that are much better than a high yield savings account. Frequently, these peer-to-peer funds outperform mutual funds and other money management funds.

Helping Borrowers with Not So Perfect Credit

Many borrowers on peer-to-peer lending sites are looking for access to low interest rates while often not having a perfect credit score.

This is one of the reasons peer-to-peer lending has become so popular: it can be easier to get a loan on a peer-to-peer marketplace than going to a bank. For some borrowers, alternatives such as payday loans may levy interest rates at 15%+ p.m, plus fees.

image

Prosper credit scores in 2013. Source: Orchard

The average credit scores in the 660-670 range on Prosper’s lending marketplace constitute what credit scoring systems would consider “good” borrowers. This is in between the lower-end “fair” and the upper “excellent” tier of borrowers through the FICO scoring system.

Cheaper for Borrowers, Good for Investors

Large corporate banks are complex organizations. During the process of a loan approval, the loan goes through many different channels which leads to very high overhead in operating costs.  Banks have to comply with more regulations than peer-to-peer marketplaces, therefore, interest rates and overall APR can be extremely costly.

Banks pass the cost of running their banks onto borrowers in the form of pricey fees, high standards for loan approval, and long lead times.

image

Source: Foundation Capital

Peer-to-peer lending marketplaces are a faster and less expensive for everyone involved. The whole process is simpler in comparison to what the banking industry must do to lend people money. Due to the lending process being entirely online, peer-to-peer lending market places create an easy and user friendly way to apply for loans.

 

Where BTCJam Stands

BTCJam is a unique peer-to-peer lender in several different ways:

  • By utilizing our unique in-house credit scoring system, borrowers can instantly create a credit profile when they supply us with certain information. As they complete more of their profile, their credit score becomes more accurate and generally improves. A full profile also has the benefit of creating more trust for investors.
  • We are able to leverage the low costs of capital in the developed world with the high costs of borrowing in many countries. Because of this global advantage, we can return to investors a better rate of return and provide more affordable loans for people in developing countries.
  • Because we use the digital currency bitcoin as a transaction protocol, we can connect borrowers and investors globally – a borrower can convert a loan and investors can convert their profit into local currency whenever necessary.

These factors are key reasons why we are able to provide investors great returns.

Here’s how to learn more about investing in bitcoin loans on BTCJam’s marketplace.